VANIO COELHO

Para acessar os textos do livro "Vento Sul - Velho Vento Vagabundo", escolha uma das opções abaixo!

 
 
  • Vanio Coelho

A mão que afaga 

O mundo ficou chocado com o assassinato de 32 jovens na Universidade de Virginia, nos Estados Unidos. O mundo tomou conhecimento de mais 200 mortes em Bagdá, em mais um dos atentados contra humanos.


O mundo ignorou as 19 mortes no Morro da Mineira, no Rio de Janeiro, em mais uma batalha do e contra o tráfico, igualzinha a outras em centenas de cidades brasileiras. Perseguem-me os versos escatológicos do Augusto dos Anjos: Vês! Ninguém assistiu ao formidável/ Enterro de tua última quimera./ Somente a Ingratidão - esta pantera-/ Foi tua companheira inseparável! Pois assim segue a vida, meu amigo: vivemos no Brasil uma guerra não declarada onde as leis, quando existem, protegem o agressor e esquecem a vítima. As leis valem para beneficiar, até retroativamente. Mas para punir, estão aí os bem espertos advogados - é sua função - amenizando-as para seus clientes bandidos. E enquanto uma cidade do interior da Virgínia (Blacksburg) mantém uma Universidade com 28 mil alunos dedicados exclusivamente ao estudo da alta tecnologia para combater o avanço asiático, nós, perdidos tapuias, ficamos nos lamentando nos versos do “Poeta Maldito”: A mão que afaga é a mesma que apedreja./ Se a alguém causa inda pena a tua chaga,/ Apedreja essa mão vil que te afaga,/ Escarra nessa boca que te beija.


Releia a íntegra deste poema:


VERSOS ÍNTIMOS

(Augusto dos Anjos)


Vês?!  Ninguém assistiu ao formidável  Enterro de tua última quimera.  Somente a Ingratidão — esta pantera —  Foi tua companheira inseparável! 

Acostuma-te à lama que te espera!  O Homem, que, nesta terra miserável,  Mora, entre feras, sente inevitável  Necessidade de também ser fera. 

Toma um fósforo.  Acende teu cigarro!  O beijo, amigo, é a véspera do escarro,  A mão que afaga é a mesma que apedreja. 

Se a alguém causa inda pena a tua chaga,  Apedreja essa mão vil que te afaga,  Escarra nessa boca que te beija!

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Vento Sul

Eis que surge o vento sul. Ataca por todos os lados, é frio, é grudento, é a prova de casaco, de lareira e de conhaque.

Eternamente Drumond

Alguns versos aqui publicados semana passada foram suficientes para que leitores atentos lembrasse que, vivo, Carlos Drumond de Andrade...

Muito além do rio

Aquelas arcadas eram suntuosas, mas nos pareciam assustadoras no primeiro dia da matrícula;

©2019 by Vanio Coelho. Todos os direitos reservados, de acordo com a legislação em vigor.