VANIO COELHO

Para acessar os textos do livro "Vento Sul - Velho Vento Vagabundo", escolha uma das opções abaixo!

 
 
  • Vanio Coelho

A manhã do dia seguinte

A TAM do inesquecível Comandante Rolim Amaro, aquele que gostava de pilotar quando estivesse a bordo, que recebia os passageiros com um sorriso e que morreu há 6 anos, bem, essa TAM parece que não mais existir.


Lembram da entrevista de seu presidente Marco Antonio Bologna, tentando explicar porque vende mais passagens do que lugares, a inescrupulosa prática de “over-booking”, durante a crise nos aeroportos, reconhecendo que “avião não é elástico, não posso colocar mais passageiros do que sua capacidade”? Pois bem, passados 50 dias, agora se sabe que o aparelho do fatídico vôo 3054 estava a) com sobrecarga de combustível só porque em Curitiba o combustível é mais barato; b) excesso de passageiros, pessoas foram acomodadas na cabine dos pilotos; c) a tripulação voando com o reverso quebrado, já que não havia tempo para deixar o aparelho na manutenção (os manuais permitem tolerar um reverso travado por até 10 dias, mas isso para não interromper uma aeronave em trânsito, jamais como regra absoluta). E ainda d) tentou-se pousar numa pista inconclusa em dia de chuva. Agora o Superior Tribunal de Justiça, em seu site oficial, acusa a TAM por impetrar nada menos que SEIS RECURSOS e procrastinar por MAIS DE VINTE ANOS um processo de indenização.


Isso mesmo, condenada pela morte, em 1983, de Djalma Eiras, devido a acidente causado por ação temerária dos pilotos, a TAM vem se recusando a pagar indenização de 1,2 milhões de reais à família, alegando que, por lei, não precisa pagar mais que 76 mil reais (200 salários mínimos). Isso para não falar do vôo 402, que ainda não indenizou, mas este só faz 6 anos. O jornalista econômico Luiz Nassif considera que essa situação é fruto da filosofia da atual diretoria, a de obter resultados positivos em curto prazo.

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Vento Sul

Eis que surge o vento sul. Ataca por todos os lados, é frio, é grudento, é a prova de casaco, de lareira e de conhaque.

Eternamente Drumond

Alguns versos aqui publicados semana passada foram suficientes para que leitores atentos lembrasse que, vivo, Carlos Drumond de Andrade...

Muito além do rio

Aquelas arcadas eram suntuosas, mas nos pareciam assustadoras no primeiro dia da matrícula;

©2019 by Vanio Coelho. Todos os direitos reservados, de acordo com a legislação em vigor.