Vanio Coelho

VANIO COELHO

Para acessar os textos do livro "Vento Sul - Velho Vento Vagabundo", escolha uma das opções abaixo!

 
 
  • Vanio Coelho

A vingança do Barão 

Noel Rosa já dizia que foi lá pelas bandas da Vila Isabel que tudo começou: tinha João Batista Viana Drumonnd, o Barão de Drumonnd, amigo do Imperador Pedro II, um minizoológico (eram 25 cabeças) e, para mantê-lo aberto ao público, recebia mensalmente uma subvenção. A queda do Império em 1889 deixou do Barão desamparado, recorrendo a uma simples ideia: cada visitante ganhava um número com a estampa de um bicho (10, por exemplo, vinha com o desenho de um coelho) e, no final do dia, poderia ganhar 20 vezes o valor do ingresso premiado. O que o pobre do Barão não sabia era que, numa terra de barnabés com baixos salários, a possibilidade de ganhar 20 vezes a aposta gerou uma demanda com apostadores que, mesmo sem visitar o zoo, faziam sua fezinha. Estava criado o jogo-do-bicho que logo tomou o país, bancado por uma nova figura no submundo, o banqueiro do bicho. O jogo sempre foi ilegal pois, sendo de azar, é proibido e o governo não vê como legalizá-lo, embora tenha criado dezenas de opções (lotos, quina, sena, mega-sena, rasgadinha, loteria instantânea.) Em 1944, um decreto-lei autorizou a exploração das loterias federais, pelo governo, a fim de angariar fundos para programas sociais e previdenciários. Em 1946, o Presidente Eurico Gaspar Dutra, por pressão de sua esposa Dona Santinha, fecha os cassinos. Em 1993 proliferam bingos graças à Lei Zico, destinada a financiar esportes alternativos. Em 1998, a Lei Pelé restringiu a legalidade dos bingos. Somente a União poderia autorizar o funcionamento. Hoje os bingos estão proibidos, para desespero de aposentados e viúvas e que viam na atividade a ocasião de sair de casa e partilhar suas esperanças solitárias, contar suas histórias, fazer novas amizades, em suma retornar ao circuito da vida.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Vento Sul

Eis que surge o vento sul. Ataca por todos os lados, é frio, é grudento, é a prova de casaco, de lareira e de conhaque.

Eternamente Drumond

Alguns versos aqui publicados semana passada foram suficientes para que leitores atentos lembrasse que, vivo, Carlos Drumond de Andrade...

Muito além do rio

Aquelas arcadas eram suntuosas, mas nos pareciam assustadoras no primeiro dia da matrícula;