Vanio Coelho

VANIO COELHO

Para acessar os textos do livro "Vento Sul - Velho Vento Vagabundo", escolha uma das opções abaixo!

 
 
  • Vanio Coelho

As rãs queriam ter um rei

Atualizado: 10 de Ago de 2019

Em 1822, Portugal queria recolonizar o Brasil e forçava o retorno de Pedro I, que soltou a famosa frase do "Fico". Em 1945, surgiram os "queremistas", que defendiam a permanência do ditador Getúlio Vargas no poder. Em 1996, o objeto do desejo era Fernando Henrique Cardoso. Em 1999, os "queremistas" mudaram o regimento para ACM ser reeleito presidente do Senado, cassado devido ao escândalo do painel. Em 2005, houve uma tentativa de manter João Paulo Cunha por dois mandatos consecutivos na presidência da Câmara, quase cassado pouco depois devido ao seu envolvimento no mensalão.

Agora, com o consumo crescendo, o número de empregos formais aumentando, o crédito abundante, a indústria produzindo como nunca e o Bolsa Família atingindo 25% das famílias brasileiras, os queremistas de hoje pedem que Lula fique. Lula, apesar de "renegar" um novo mandato, já vai advertindo que "ninguém consegue fazer tudo em oito, nove ou 10 anos".

A história, quando se repete, vira uma farsa. É conhecida a fábula das rãs que queriam um rei. Resumidamente: uma comunidade de rãs vivia num lago, em paz e sossego, quando nomeou uma comissão para rogar a Zeus por um rei. Zeus percebeu a ingenuidade e disse que no dia seguinte um rei estaria morando no lago, onde colocou um tronco de árvore. As rãs ficaram em polvorosa, mas como nada aconteceu, logo retornaram a Zeus, que, impaciente, enviou-lhes uma cegonha.

Bom, é claro que o novo rei comeu todas as rãs, uma a uma. Apesar do nosso "sapo barbudo", a história criada por Phebo é apenas uma lenda. Se bem que, para alguns, tudo não passa de um "neoqueremismo".


NOTA escrita para coluna Cacau Menezes - Diário Catarinense - Florianópolis/SC

6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Vento Sul

Eis que surge o vento sul. Ataca por todos os lados, é frio, é grudento, é a prova de casaco, de lareira e de conhaque.

Eternamente Drumond

Alguns versos aqui publicados semana passada foram suficientes para que leitores atentos lembrasse que, vivo, Carlos Drumond de Andrade...

Muito além do rio

Aquelas arcadas eram suntuosas, mas nos pareciam assustadoras no primeiro dia da matrícula;