Vanio Coelho

VANIO COELHO

Para acessar os textos do livro "Vento Sul - Velho Vento Vagabundo", escolha uma das opções abaixo!

 
 
  • Vanio Coelho

Lágrimas ao vento

Os mesmos políticos que criaram a CPMF também a extinguiram. Podem alegar, já que fizeram tremenda lambança, que estavam arrependidos, que em 1996 cometeram um grande erro. Mesmo que, lá, quisessem ajudar Fernando Henrique, e, aqui, prejudicar o Lula. Agora soltam risadas. De que riem? Se, com a CPMF, os hospitais estão sucateados, operações delicadas, como de coração ou transplante, devem ser marcadas com meses de antecedência, faltam medicamentos caros, quartos, ambulâncias, enfermeiros e médicos, então como vai ficar sem os R$ 40 bilhões daquele imposto? Como em 1996, vai faltar de iodo a Doril; necessidades como cotonete, esparadrapo, gaze e papel higiênico tornam-se produtos de luxo. Antes, os ricos financiavam os hospitais dos pobres, os estados maiores ajudavam os mais fracos. Tudo acabou. Não se abre mão de R$ 40 bilhões sem conseqüências funestas.

Apenas para recuperar R$ 10 bilhões, já se aumentou o IOF, onerando o financiamento de veículos e eletrônicos, seguros, empréstimos habitacionais, cartão de crédito, compra de dólares e excursões financiadas. Os funcionários vão ficar mais um ano sem aumento; os milhões de jovens formandos perdem a chance nas 60 mil vagas dos concursos cancelados; os precatórios judiciais serão postergados.

A oposição blefa quando diz que o acordo com o Planalto era o de não ter aumento de impostos. Alguns próceres do governo já haviam alertado ser impossível não sentir uma perda desse tamanho. E não se sabe ainda o que vai ocorrer com o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que teve 97% das obras previstas contratadas no ano passado. E aqueles políticos ainda riem? Devem ser lágrimas ao vento.


NOTA escrita para coluna Cacau Menezes - Diário Catarinense - Florianópolis/SC

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Vento Sul

Eis que surge o vento sul. Ataca por todos os lados, é frio, é grudento, é a prova de casaco, de lareira e de conhaque.

Eternamente Drumond

Alguns versos aqui publicados semana passada foram suficientes para que leitores atentos lembrasse que, vivo, Carlos Drumond de Andrade...

Muito além do rio

Aquelas arcadas eram suntuosas, mas nos pareciam assustadoras no primeiro dia da matrícula;