VANIO COELHO

Para acessar os textos do livro "Vento Sul - Velho Vento Vagabundo", escolha uma das opções abaixo!

 
 
  • Vanio Coelho

Nasce uma nação

Na infância, fomos anestesiados com os versos de Olavo Braz dos Guimarães Bilac: "Ama, com fé e orgulho, a terra em que nasceste! Criança, não verás nenhum país como este". E foi só. Mais tarde, receberíamos a triste constatação de não passarmos de um gigante deitado eternamente. Nelson Rodrigues definiu como "complexo do vira-lata" a inferioridade em que o brasileiro se coloca, voluntariamente, em face do resto do mundo. Fomos mantidos sob a tortura intelectual de que o povo brasileiro é inferior a outros ou "degenerado".

Já em 1845, quando por aqui passou o conde de Cobineau, os cariocas foram definidos como "verdadeiros macacos". Não foram poucos os antropólogos, como Nina Rodrigues, Oliveira Viana e até Monteiro Lobato, que acusavam nossa miscigenação e a vida nos trópicos como a raiz de todos os males, estimulando a preguiça e a luxúria. Enquanto Roquette-Pinto bradava que a inferioridade era um problema de ignorância e não de raça.

O Brasil, no entanto, é reconhecido como país inventivo (que vão do aeróstato à máquina de escrever, do avião aos automóveis bicombustíveis), mas não teve a sua produção científica reconhecida através de um prêmio Nobel, enquanto outras nações sul-americanas, tais como Argentina e Venezuela, já o conquistaram. Pois agora a BBC de Londres divulga estudo sobre a visão dos latino-americanos sobre o Brasil e os brasileiros e conclui: nas ruas da América do Sul, duas imagens emergem quando se pergunta às pessoas o que elas pensam sobre o Brasil. É a idéia de que o Brasil é um país "amigo", "alegre", com "gente e praia bonitas". E de uma potência e economia a ser invejada.

Não é à toa que Lula tanto pode conversar de igual com Bush e Chávez quanto mandar Evo Morales ficar quietinho e dizer ao "camarada" Fidel Castro que ele foi, mas não é. O Haiti não quer que o Brasil saia de lá; a França lhe pede para interceder por Ingrid Betancourt; a Argentina solicita socorro energético; o Equador quer apoio contra a Colômbia; e a Bolívia, mais investimentos. Nossa geração assiste ao nascimento de uma nova nação. Cabe a nós zelar pelo seu bom uso.


NOTA escrita para coluna Cacau Menezes - Diário Catarinense - Florianópolis/SC

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Vento Sul

Eis que surge o vento sul. Ataca por todos os lados, é frio, é grudento, é a prova de casaco, de lareira e de conhaque.

Eternamente Drumond

Alguns versos aqui publicados semana passada foram suficientes para que leitores atentos lembrasse que, vivo, Carlos Drumond de Andrade...

Muito além do rio

Aquelas arcadas eram suntuosas, mas nos pareciam assustadoras no primeiro dia da matrícula;

©2019 by Vanio Coelho. Todos os direitos reservados, de acordo com a legislação em vigor.