Vanio Coelho

VANIO COELHO

Para acessar os textos do livro "Vento Sul - Velho Vento Vagabundo", escolha uma das opções abaixo!

 
 
  • Vanio Coelho

Navegar é preciso

De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto. Parece que estamos vivenciando a premonição de Rui Barbosa, o cidadão com vergonha de ser honesto. As misérias do Executivo estão desnudadas; quase 300 deputados e senadores aparecem envolvidos na Máfia das Ambulâncias.


Com o suborno de apenas 200 reais, a Nação fica sabendo que, embora com quinze mil funcionários com os maiores salários do país, o legislativo só anda graças aos terceirizados. E nem falei da semana iraquiana vivida por São Paulo onde se agride os catarinenses pela farra dos bois e não veem bandidos dominarem seu ir e vir. Parece a danação daquela musiquinha que tanto se ouve em período eleitoral: se gritar pega ladrão/ não sobra um, meu irmão... Por isso o socorro da coluna aos versos de Fernando Pessoa: Cada vez mais ponho da essência anímica do meu sangue/ o propósito impessoal de engrandecer a pátria e contribuir/ para a revolução da humanidade...


E se, depois de tudo, o querido leitor puder ter um fim de semana tranquilo, por favor, me explique como. Navegar é Preciso Navegadores antigos tinham uma frase gloriosa: “Navegar é preciso; viver não é preciso”. Quero para mim o espírito [d] esta frase, transformada a forma para a casar como eu sou: Viver não é necessário; o que é necessário é criar. Não conto gozar a minha vida; nem em gozá-la penso. Só quero torná-la grande, ainda que para isso tenha de ser o meu corpo e a (minha alma) a lenha desse fogo. Só quero torná-la de toda a humanidade; ainda que para isso tenha de a perder como minha. Cada vez mais assim penso. Cada vez mais ponho da essência anímica do meu sangue o propósito impessoal de engrandecer a pátria e contribuir



Veja a íntegra do poema Navegar é preciso, de Fernando Pessoa:


Navegar é Preciso Navegadores antigos tinham uma frase gloriosa: “Navegar é preciso; viver não é preciso".

Quero para mim o espírito [d] esta frase, transformada a forma para a casar como eu sou:

Viver não é necessário; o que é necessário é criar. Não conto gozar a minha vida; nem em gozá-la penso. Só quero torná-la grande, ainda que para isso tenha de ser o meu corpo e a (minha alma) a lenha desse fogo.

Só quero torná-la de toda a humanidade; ainda que para isso tenha de a perder como minha. Cada vez mais assim penso.

Cada vez mais ponho da essência anímica do meu sangue o propósito impessoal de engrandecer a pátria e contribuir para a evolução da humanidade.

É a forma que em mim tomou o misticismo da nossa Raça.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Vento Sul

Eis que surge o vento sul. Ataca por todos os lados, é frio, é grudento, é a prova de casaco, de lareira e de conhaque.

Eternamente Drumond

Alguns versos aqui publicados semana passada foram suficientes para que leitores atentos lembrasse que, vivo, Carlos Drumond de Andrade...

Muito além do rio

Aquelas arcadas eram suntuosas, mas nos pareciam assustadoras no primeiro dia da matrícula;