VANIO COELHO

Para acessar os textos do livro "Vento Sul - Velho Vento Vagabundo", escolha uma das opções abaixo!

 
 
  • Vanio Coelho

Nosso petróleo e a cobiça deles

Com o petróleo custando cada vez mais, o mundo industrializado do Norte está de olho em nós. Custando pouco mais de um dólar o barril em 1973, foi logo para US$ 2,90 e, em apenas três meses, para US$ 11,65. Começou o século 21 a US$ 30 e iniciou 2008 encostando nos US$ 130. Essa insensatez afeta a produção de alimentos, encarece o transporte, os fertilizantes, a petroquímica. No Brasil, a Petrobras ainda pratica os US$ 80. É por isso que o custo da gasolina é de apenas 80 centavos o litro; os R$ 2,50 na bomba são graças ao inchaço de impostos. A Petrobras é, agora, a maior empresa da América do Sul, e seu valor nas bolsas bate os US$ 300 bilhões, o dobro de seu valor patrimonial. Os grandes consumidores de petróleo contam com as recentes descobertas brasileiras para segurar o preço mundial do produto, aparecendo como o grande salvador do mundo.

Mas não podemos esquecer que uma jazida de petróleo produz apenas 10 anos ou, no máximo, 15, e que as reservas atuais devem acabar em 30 anos e não existem novas fronteiras para explorá-lo. É por isso que as novas descobertas de petróleo abaixo de camadas de pré-sal, a cerca de 7 mil metros de profundidade, chamam a atenção pelas gigantescas implicações geopolíticas e econômicas no tabuleiro energético mundial. Nossas bacias marítimas, do Maranhão até o Rio Grande do Sul, poderiam conter reservatórios incomensuráveis de hidrocarbonetos e o que se descobriu não passaria da pontinha de um enorme iceberg, numa única e gigantesca jazida de petróleo podendo conter centenas de bilhões de barris, algo como a metade das reservas mundiais provadas! Petróleo demais destruiu Angola, Irã, Iraque e (quase) o Kuwait. Foi por petróleo que o 6º Exército de Von Paulus se afundou nas neves russas, e Erwin Rommel, nas areias do deserto do norte da África. Internacionalização da Amazônia é fichinha: o perigo é ter petróleo demais e não poder segurar.


NOTA escrita para coluna Cacau Menezes - Diário Catarinense - Florianópolis/SC

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Vento Sul

Eis que surge o vento sul. Ataca por todos os lados, é frio, é grudento, é a prova de casaco, de lareira e de conhaque.

Eternamente Drumond

Alguns versos aqui publicados semana passada foram suficientes para que leitores atentos lembrasse que, vivo, Carlos Drumond de Andrade...

Muito além do rio

Aquelas arcadas eram suntuosas, mas nos pareciam assustadoras no primeiro dia da matrícula;

©2019 by Vanio Coelho. Todos os direitos reservados, de acordo com a legislação em vigor.