Vanio Coelho

VANIO COELHO

Para acessar os textos do livro "Vento Sul - Velho Vento Vagabundo", escolha uma das opções abaixo!

 
 
  • Vanio Coelho

O etanol é nosso, o mundo é nosso

Ledo engano. O etanol não é o que a propaganda governista tenta fazer crer. Se para ir de Floripa até Imbituba num carro pequeno se consome de álcool o equivalente a uma horta plantada de cana, um caminhão consumiria o equivalente a um campo de futebol. Assim, como substituir dois milhões de barris de petróleo que o Brasil queima diariamente (são mais de 300 milhões de litros num só dia)? Devemos encarar tanto o etanol (na forma de álcool combustível) e o biodiesel (na forma de óleo para substituir o diesel) mais como medidas tendentes a reforçar a pequena agricultura do que uma medida para salvar o mundo da poluição. Basta ver que foi só os americanos começarem a usar etanol do milho que os mexicanos ficaram sem farinha para suas tortilhas.


É como se o Lula requisitasse todo feijão carioquinha para produzir combustível: seu governo, certamente, viria abaixo. É bem verdade que esses combustíveis vegetais são menos poluentes que os de origem fósseis, que o planeta está doente e que nenhum país quer ficar refém dos árabes e do Chávez, da Venezuela. Mas alguém acredita que o Japão, a Alemanha e a França vão querer ficar reféns do Brasil e outros países tropicais, produtores de cana de açúcar e cereais oleaginosos? E os Estados Unidos, então, que consomem por dia TRÊS BILHÕES de litros de petróleo? Melhor acreditar que o biodiesel veio para reter no campo o pequeno produtor: pode trocar o cultivo da batata e da e da cebola, que não têm preço e apodrecem fácil, para liquidez do milho, soja e mamona, mesmo porque o programa do governo é tímido: adicionar até 1% no óleo diesel. Agora, querer transformar o Brasil num imenso milharal, expulsando outras culturas, é querer abraçar uma bolha de sabão, ou seja, o vazio.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Vento Sul

Eis que surge o vento sul. Ataca por todos os lados, é frio, é grudento, é a prova de casaco, de lareira e de conhaque.

Eternamente Drumond

Alguns versos aqui publicados semana passada foram suficientes para que leitores atentos lembrasse que, vivo, Carlos Drumond de Andrade...

Muito além do rio

Aquelas arcadas eram suntuosas, mas nos pareciam assustadoras no primeiro dia da matrícula;