Vanio Coelho

VANIO COELHO

Para acessar os textos do livro "Vento Sul - Velho Vento Vagabundo", escolha uma das opções abaixo!

 
 
  • Vanio Coelho

Voto à venda 

Chocou-me profundamente a posição pública do jovem estudante R. J. B., de 19 anos que, por uma bolsa de estudos na Fundação Universitária de Criciúma, oferece o seu e mais cinco votos da família. É evidente que o TRE vai chamar o jovem e adverti- lo, se o Promotor Público não denunciá-lo e propor alguns anos de prisão (afinal, corrupção eleitoral dá cadeia). Também as fúteis razões que levam o jovem a tão vergonhoso ato me chocam, igualmente. Fala o estudante em “voto de convicção”, “extrema necessidade” e chama de “besteira” o Crédito Educativo.


O voto é uma questão de foto íntimo. É nas urnas que o cidadão julga o governo que administra, renova a confiança ou lhe retira, dando oportunidade a um novo partido, uma nova corrente, a uma outra esperança. Vem dos gregos a sentença: cada povo tem o governo que merece. Quem aliena seu voto - por mercenário, desligado ou inconsequente - não está colaborando em nada com a Nação. Na verdade, desonra o título eleitoral que o País lhe outorgou. A generalidade é um vício que deturpa o pensamento e a argumentação. Chamar os políticos patriotas, honestos e delicados, é faltar com a Verdade. É até covardia. Se das Câmaras e do Congresso recebemos notícias de “mordomias” e vantagens pessoais, não podemos ignorar que o sistema representativo (e nele está incluído o Executivo), tem feito esforços para, através do aperfeiçoamento das leis, tornar a vida mais equânime, melhor dividida e positivamente superior ao passado. Nota-se que apesar dos percalços do mundo, a prática democrática - na medida em que se permite as minorias defender livremente seu pensamento - tem permitido ao Brasil escapar da carnificina que enluta a América Central, da brutalidade que ocupa o noticiário sobre a África, e do obscurantismo que entristece algumas nações sul-americanas. Assim, a posição do jovem estudante, além de medíocre e antipatriótica, o é também egoísta e perniciosa. Seu desdém ao Crédito Educativo não procede, O governo coloca à disposição do estudante uma determinada importância que é creditada semestralmente, e ele só irá reembolsar 6 meses depois de formado, a juros limitados em 20% ao ano. Com o atual processo inflacionário, esse dinheiro, baratíssimo, acaba sendo uma bolsa de estudos. Quem o jovem despreza.


Deixei para o final da última desculpa – a de que é extremamente necessitado. Neste caso eu pergunto: e por que insistir em Universidade? O Brasil é carente de bons profissionais de nível medi – esses verdadeiros artífices de mão de obra qualificada nacional. Universidade não é para quem quer - é para quem pode. E poder aí não significa recursos financeiros (existe Universidade gratuita, refeição subsidiada, moradias a preços simbólicos e outras vantagens, para o estudante pobre. Significa sim inteligência, talento, vocação... qualidades essenciais que parecem faltar ao jovem vendedor de sua dignidade. Que a atitude alienada do jovem estudante seja infrutífera e não conquiste seguidores...

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Vento Sul

Eis que surge o vento sul. Ataca por todos os lados, é frio, é grudento, é a prova de casaco, de lareira e de conhaque.

Eternamente Drumond

Alguns versos aqui publicados semana passada foram suficientes para que leitores atentos lembrasse que, vivo, Carlos Drumond de Andrade...

Muito além do rio

Aquelas arcadas eram suntuosas, mas nos pareciam assustadoras no primeiro dia da matrícula;