©2019 by Vanio Coelho. Todos os direitos reservados, de acordo com a legislação em vigor.

QUEM É VANIO COELHO?

Vanio é natural de Tubarão, onde nasceu, em 1940, mas recebeu, em 1987, da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro o título de Cidadão Carioca Honorário, porém não adquiriu o sotaque. Tem 3 filhos cariocas (Gustavo, engenheiro florestal no IBAMA, Guilherme, arquiteto hospitalar com passagens pela Cruz Vermelha Internacional e Médicos sem Fronteiras, tendo trabalhado nos países mais perigosos do mundo e Thiago, surfista por paixão, escritor e compositor musical, além de roteirista de vídeos e como acadêmico bacharel em direito). 


Iniciou no jornalismo em 1957 dirigindo um jornal para estudantes chamado O LIDER; logo depois escrevia uma coluna semanal para o jornal A VERDADE, de Manoel de Menezes, pai de Cacau, com quem colaborou por mais de dez anos, oferecendo um pouco de lirismo e sutileza em alguns de seus textos na sua coluna no Diário Catarinense. Também manteve um programa semanal na Radio Tubá em 1957. Passou pela Manchete, Fatos e Fotos, Enciclopédia Bloch, Correio da Manhã, O Estado do Paraná, Tribuna do Paraná, Diário Popular, Revista Panorama, Rádio Tiradentes.


Como convidado estrangeiro, estudou Comunicação de Massa na Sorbonne, com o mestre Edgar Morin. Trabalhou 24 anos no Sistema Petrobrás (revistas Petrobrás, GENTE, filme Nem Inferno Nem Paraíso, historia em quadrinhos Tonico e Petrolino, considerado como o primeiro HQ institucional), tendo montando sistemas de comunicação social em suas subsidiarias ICC, Petrofértil, Petroquisa, BR, Petros. Lecionou Relações Públicas na UFRJ (70) e Jornalismo Comparado na UFF (71-73).


Aposentou-se como jornalista em 1990 e, depois de morar 30 anos no Rio retornou para Santa Catarina, seguindo aquele sábio conselho “more pelo menos uma vez numa cidade grande, mas vá embora antes que ela o endureça; more pelo menos uma vez numa cidade a beira-mar, mas vá embora antes que ela o amoleça”, tirou da gaveta seu diploma de bacharel, exercendo a Advocacia em Floripa desde 1992. 


Seu escritório anterior, no centro da cidade,  dispunha de um terraço de mais de 60 metros,  pomar com jabuticabeiras floridas e assistia, três vezes ao dia, casais de bem-te-vi virem comer ração de maçã no alimentador de pássaros. Mas trocou por um apê na Beira Mar, de frente para o mar, onde montou seu cafofo num home-office. Tornou-se investidor profissional e especialista em fundos imobiliários. 

 
Vanio em seu local favorito, em meio às plantas de seu apartamento-escritório degustando um belo vin