©2019 by Vanio Coelho. Todos os direitos reservados, de acordo com a legislação em vigor.

VANIO COELHO

Para acessar os textos do livro "Vento Sul - Velho Vento Vagabundo", escolha uma das opções abaixo!

 
 
  • Vanio Coelho

As rainhas

E hoje é o dia da gratidão, desde que, há 101 anos, a americana Ana Jarvis, perdendo sua mãe, iniciou uma campanha que atingiu o mundo para instituir o Dia das Mães. Para homenageá-la, podemos recriar os versos de Coelho Neto: “Ser mãe é desdobrar fibra por fibra o coração! Ser mãe é andar chorando num sorriso! Ser mãe é ter um mundo e não ter nada! Ser mãe é padecer num paraíso!”.


Melhor: se afinados, podemos cantar os versos de David Nasser: “Ela é a dona de tudo/ Ela é a rainha do lar/ Ela vale mais para mim/ Que o céu, que a terra, que o mar/ Eu cresci, o caminho perdi/ Volto a ti e me sinto criança/ Se eu pudesse eu queria outra vez, mamãe/ Começar tudo, tudo, de novo”.


Podemos até plagiar o Bispo de la Serena: “Uma simples mulher existe que, sendo forte estremece ao choro da criança e, sendo fraca, se alteia com a bravura do leão; viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que somos e tudo o que temos daríamos para vê-la de novo, e dela receber um aperto de seus braços, uma palavra de seus lábios...”.


Mamãe, Mamma, Ma, Mammy, Mother, Mère, Matyuka, não importa a língua, hoje é um daqueles raros dias em que chineses e tibetanos, judeus e palestinos, ingleses e irlandeses, gregos e turcos, bolivianos do leste ou do oeste, todos dão uma pausa ao ódio. Vai, cara, corre e abraça tua mãe.


NOTA escrita para coluna Cacau Menezes - Diário Catarinense - Florianópolis/SC

4 visualizações