Vanio Coelho

VANIO COELHO

Para acessar os textos do livro "Vento Sul - Velho Vento Vagabundo", escolha uma das opções abaixo!

 
 
  • Vanio Coelho

Bacia das almas

A corrupção toma conta do país como um câncer como uma metástase. Não é apenas o crescimento da doença para os lados, mas a criação de novos focos de corrupção, sem continuidade com a primeira lesão. Como células neoplásticas, a doença social ganha vias próprias de disseminação, cujas denúncias acabam estimulando a formação de novas colônias neoplásticas mais adiante. Não acaba nunca. Agora se descobre a venda de próteses falsas, travesseiros milagrosos, “correntes” para empresários falidos, boi gordo, avestruz gordo e até camarão gordo. Começa ali, com o assessor indicado pelo mais modesto vereador do mais longínquo e mais pobre burgo, para pelos remédios com 10% a menos de conteúdo e termina nos mais elevados tribunais do país, onde se questiona quem tem autoridade moral para denunciar “jeitinhos”, como ocorreu outro dia no bate-boca do Supremo Tribunal Federal.


Rui Barbosa, eloqüente tribuno, político, ex-candidato a presidente, excelente jurista (mas a quem se inculpa responsabilidade em alguns “jeitinhos”) já advertia, há quase um século: “De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto”. No lugar de passear de branco, ou mesmo de negro, ou fechar pontes e viadutos, que o querido (e)leitor anote junto a seu título e na eleição use seu voto como arma. Aliás, é há única oportunidade onde e pobres, instruídos e incultos, trabalhadores e desempregados, raças coloridas, vocações religiosas e opção sexual diferente, todos têm o mesmo valor.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Vento Sul

Eis que surge o vento sul. Ataca por todos os lados, é frio, é grudento, é a prova de casaco, de lareira e de conhaque.

Eternamente Drumond

Alguns versos aqui publicados semana passada foram suficientes para que leitores atentos lembrasse que, vivo, Carlos Drumond de Andrade...

Muito além do rio

Aquelas arcadas eram suntuosas, mas nos pareciam assustadoras no primeiro dia da matrícula;