©2019 by Vanio Coelho. Todos os direitos reservados, de acordo com a legislação em vigor.

VANIO COELHO

Para acessar os textos do livro "Vento Sul - Velho Vento Vagabundo", escolha uma das opções abaixo!

 
 
  • Vanio Coelho

Invasores de corpos 

De quem o mérito por uma lei inteligente? É conhecido o adágio “O sucesso tem mil pais; o fracasso é órfão...”. Um exemplo? De quem a ideia dos “sacolões”, um espaço livre onde agricultores vendem diretamente ao consumidor frutas e legumes, alguns nobres como melão, pêssego e maçã, a 89 centavos o quilo? Andrino diz que é o criador, Cacau surpreendeu Sergio Grando fiscalizando pessoalmente e Ângela jura que substituiu os galpões por prédios de alvenaria. Não houve aí uma sequência de atitudes - a ideia, a execução, o aperfeiçoamento? A nota vem a propósito da auto-suficiência brasileira de petróleo. Afinal, apenas cinco ou seis países produzem mais de dois milhões de barris de petróleo por dia, como o Brasil. Lula é o responsável? A propaganda oficial vai dizer que sim, mas a história é um pouco diferente, pois nenhum presidente da República negou recursos à nossa maior empresa, hoje a 50ª maior do mundo.


Criada em 1953, a Petrobrás iniciou com uma produção de pouco mais de mil barris por dia. Contratou o famoso geólogo americano Mr. Link que declarou: “o Brasil não tem petróleo! Só se pesquisar no mar”. Com a descoberta de petróleo em Nova Olinda, no Amazonas (que se revelou não comercial), Walter Link quase foi linchado. A segunda parte de seu relatório não foi percebida na época. Ele estava certo. A primeira descoberta no mar foi em 1968, no Sergipe; depois vieram as megas descobertas na bacia de Campos, litoral carioca, Santa Catarina e outros. Agora que a produção supera o consumo, em torno de 1.900.000 barris por dia, o país pode fazer o seguinte inventário: que bom que a Petrobrás só foi descobrir petróleo em quantidade nos anos setenta. Houvesse descoberto petróleo nos anos 60, quando o barril custava um dólar, nós não teríamos mais petróleo (uma jazida dura no máximo de 10 a 15 anos) e teríamos de pagar, hoje, 80 dólares cada barril. Bendita “incompetência”!

3 visualizações