Vanio Coelho

VANIO COELHO

Para acessar os textos do livro "Vento Sul - Velho Vento Vagabundo", escolha uma das opções abaixo!

 
 
  • Vanio Coelho

O que deu errado?

Nos anos 1960, o Brasil tinha Rio e Brasília como capitais. São Paulo era a "locomotiva puxando 20 vagões vazios" - os outros estados. Eram tempos ingênuos. JK voltaria do exílio em 1965, e a Copa do Mundo de Futebol, vencida em 1958 e 1962, também seria nossa em 1970. A Câmara não tinha mais do que 200 deputados, os senadores eram 63 e os políticos entravam pobres e saíam mais pobres. Trabalhavam de segunda a sexta e, às vezes, também nos sábados. Os vereadores ganhavam jetons por sessão e não se precisava agendar visita ao prefeito: a gente o encontrava na rua.

Stefan Zweig, o amargurado escritor austríaco que se seduziu com a tese do "maior país católico, negro e judeu do mundo", vaticinou um "Brasil país do futuro". Tínhamos consciência da tolerância, a ascensão dos lutadores e se desconhecia expressões como alpinista social. O Brasil tinha tudo para dar certo. O que deu errado?

Veio o golpe de 1964, perdemos a Copa de 1966 e, em 1973, ganhamos senadores biônicos e se escancarou o número de deputados federais. A Constituição de 1988 extrapolou: novos estados, milhares de municípios inviáveis, aposentadoria sem contribuição, greve de servidor público. O ambiente político se degradou.

Criamos o Congresso mais caro do mundo, com essa qualidade que a Polícia Federal, o Jornal Nacional e as revistas semanais denunciam a toda hora. Ninguém mais se indigna. Aos sábados, em Brasília, motoristas de políticos fazem fila nas bancas de revista para saber qual o escândalo da capa.

A propósito: em quem você votou para vereador?


NOTA escrita para coluna Cacau Menezes - Diário Catarinense - Florianópolis/SC

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Vento Sul

Eis que surge o vento sul. Ataca por todos os lados, é frio, é grudento, é a prova de casaco, de lareira e de conhaque.

Eternamente Drumond

Alguns versos aqui publicados semana passada foram suficientes para que leitores atentos lembrasse que, vivo, Carlos Drumond de Andrade...

Muito além do rio

Aquelas arcadas eram suntuosas, mas nos pareciam assustadoras no primeiro dia da matrícula;