Vanio Coelho

VANIO COELHO

Para acessar os textos do livro "Vento Sul - Velho Vento Vagabundo", escolha uma das opções abaixo!

 
 
  • Vanio Coelho

O repouso do guerreiro

O leitor chega em casa cansado. Labutou a semana inteira, administrou suas dívidas, contornou a ameaça de desemprego, discutiu no trânsito, aborreceu-se com o chefe. Pega o velho chinelo, busca uma loura gelada ou um uísque e até, quem sabe, um champanhe francês que a queda do dólar tornou mais acessível que o nacional. Conversa com os filhos, pergunta pelas notas, dá um beijo na companheira, também ela uma lutadora e se refugia na TV a cabo ou na internet... Meia noite de sábado, vai dormir, cansado. É o merecido repouso do guerreiro. Só que não consegue dormir: caminhão de lixo na madrugada, desajustados do volante que buzinam porque um veiculo à frente parou para desembarcar alguém. E, lá pelas seis horas, é o danado do cão do vizinho, daqueles que correm atrás do próprio rabo. Afinal poucos sabem que não é permitido fazer barulho das 22 às 7 horas. De dia é buzina, bate-estaca, sirene e britadeira. De madrugada é motocicleta sem silenciador, discussão de bêbados, alarme de carros, “pegas”, a boate da esquina sem acústica... E aí ele pensa: por que vim para a cidade grande? Só que, no silêncio absoluto do campo, o simples cantar de um galo soa tonitruante como um alto-falante de estádio de futebol.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Vento Sul

Eis que surge o vento sul. Ataca por todos os lados, é frio, é grudento, é a prova de casaco, de lareira e de conhaque.

Eternamente Drumond

Alguns versos aqui publicados semana passada foram suficientes para que leitores atentos lembrasse que, vivo, Carlos Drumond de Andrade...

Muito além do rio

Aquelas arcadas eram suntuosas, mas nos pareciam assustadoras no primeiro dia da matrícula;