Vanio Coelho

VANIO COELHO

Para acessar os textos do livro "Vento Sul - Velho Vento Vagabundo", escolha uma das opções abaixo!

 
 
  • Vanio Coelho

O triunfo da vontade


Será que é a letra do tempo que escreve nosso destino? Quem não se lembra de Marlene Dietrich seduzindo e levando à desgraça o respeitável e maduro professor Unrath em “O Anjo Azul”? Ou, como pergunta Diana Ross: Do you know where you’re going to? Do you like the things that life is showing you? (Você sabe para onde está indo? Você gosta das coisas que a vida está lhe mostrando?). Afinal, a quem Frank Sinatra pede uma segunda chance em Let me try again? Não é ele quem diz: Just forgive me or I’ll die. Please let me tray again. (Ou você me perdoa ou morrerei. Por favor, deixe-me tentar de novo)...

Não foi Edith Piaf, a que mais amou e menos foi amada, que cantava nas madrugadas de Paris : Non! Rien de rien/ Non! Je ne regrette rien. (Não! Nada vezes nada/ Eu não lamento nada) ? Opressor mesmo foi Charles Aznavour, esse franco-armênio de tantos sucessos mas que nos faz repensar a juventude em sua composição Hier encore: Hier encore j’avais vingt ans/.../Car mes amours sont mortes/ Avant que d’exister/ Mes amis sont partis/ Et ne reviendront pas/ Par ma faute j’ai fait / Le vide autour de moi/ Et j’a gaché ma vie/ Et mes jeunes années/ Du meilleur et du pire/ En jetant le meilleur.(Ontem ainda/ Eu tinha vinte anos/ ... Pois meus amores morreram/ Antes mesmo de existirem/ Por minha culpa eu fiz/ O vazio ao meu redor/ E eu dissipei minha vida/ E meus jovens anos/ Do melhor e do pior/ Descartando o melhor)...

E para aqueles que não tem mais 20 anos há algum tempo, quando o telefone tocar não fique rezando para que não seja para você: como o seu sangue, circule pelos acontecimentos. Afinal, a vida é curta demais para se cultuar o tédio...

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Vento Sul

Eis que surge o vento sul. Ataca por todos os lados, é frio, é grudento, é a prova de casaco, de lareira e de conhaque.

Eternamente Drumond

Alguns versos aqui publicados semana passada foram suficientes para que leitores atentos lembrasse que, vivo, Carlos Drumond de Andrade...

Muito além do rio

Aquelas arcadas eram suntuosas, mas nos pareciam assustadoras no primeiro dia da matrícula;