VANIO COELHO

Para acessar os textos do livro "Vento Sul - Velho Vento Vagabundo", escolha uma das opções abaixo!

 
 
  • Vanio Coelho

Os ventos de maio

No 5º mês do ano, a temperatura aqui no Sul é mais doce, último adeus definitivo ao verão, prenúncio de um inverno frio e inóspito. A natureza se prepara para o reinício do clico da vida: as árvores perdem as folhas, as parreiras dormentes serão podadas, na terra crescerá o mato antes da aradura. Mês de Maria, data preferida pelas donzelas para o santo sacramento, maio marca também o recuo da caça e da pesca, para que se refaçam o equilíbrio biológico e o rodízio da vida. Maio marca também uma novidade: a escolha dos candidatos que disputarão os cargos eletivos em novembro próximo.


Dentro de cada partido (temos cinco partidos já organizados), a democracia se renova, pois ninguém criou algo melhor como sistema de governo. Os candidatos se impõem, unicamente, porque têm a ambição do Poder (se alguém disser que foi “convocado” pelo Partido, creia-me, você está diante de um sonhador mentiroso, não vote nele). E por que se pleiteia um cargo? Por inúmeras razoes, sendo a principal a vocação para o poder, o mando, o absolutismo, o dinheiro. Mandar e desmandar, premiar e punir, prender e soltar. Essa a vocação primária, o chamamento tribal. Existem razões nobres e outras nem tão nobres. Servir ao povo, por exemplo. Muitos líderes carismáticos têm noção correta dos problemas e das soluções para uma Nação. Sempre existiram líderes com vocação para servir ao povo. Mas uma vez no poder, relutam em devolve-lo. Daí a eterna vigilância com os líderes carismáticos: a não possibilidade de reeleição é a maior garantia de rotatividade no poder. Restam ainda os que ingressam na política por oportunismo - e não vamos ignorar o joio brotando vigoroso misturado ao trigo - e os que são testas-de-ferro, marionetes, defensores de interesses específicos.


Jornal CORREIO DO SUL-Criciúma

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Vento Sul

Eis que surge o vento sul. Ataca por todos os lados, é frio, é grudento, é a prova de casaco, de lareira e de conhaque.

Eternamente Drumond

Alguns versos aqui publicados semana passada foram suficientes para que leitores atentos lembrasse que, vivo, Carlos Drumond de Andrade...

Muito além do rio

Aquelas arcadas eram suntuosas, mas nos pareciam assustadoras no primeiro dia da matrícula;

©2019 by Vanio Coelho. Todos os direitos reservados, de acordo com a legislação em vigor.