Vanio Coelho

VANIO COELHO

Para acessar os textos do livro "Vento Sul - Velho Vento Vagabundo", escolha uma das opções abaixo!

 
 
  • Vanio Coelho

Remando no vento

A Bolívia, não tem? Abriu uma guerra contra o Chile e perdeu a saída do mar. Enfrentou o Brasil numa batalha no meio do nada e perdeu o Acre. Agora resolveu abrir nova guerra. Primeiro expulsa a siderúrgica do filho de um ex-ministro. Como era negócio particular e nem no Brasil aceitaríamos aquela fábrica, não reagimos. Nacionalizou suas jazidas de petróleo e gás e, como já fizemos o mesmo, não reagimos. Expropriou a Petrobrás e, como é uma empresa pública com ações em bolsa, (ainda) não reagimos. Evo Morales anuncia que nada pagará à Petrobrás, ao tempo que manda mil famílias brasileiras que vivem na fronteira a fazer suas malas. Não é tarde para reagir? O leitor se lembra dos versos de Eduardo Alves (“No caminho com Maiakovski”): Na primeira noite eles se aproximam e roubam uma flor de nosso jardim. E não dizemos nada. Na segunda noite, já não se escondem: pisam as flores, matam nosso cão, e não dizemos nada. Até que um dia o mais frágil deles entra sozinho em nossa casa, rouba-nos a luz e, conhecendo nosso medo, arranca-nos a voz da garganta. E já não podemos dizer mais nada! Essa frente que governa o Brasil, - PT e PMDB sobretudo - parece remar no vento: pensa que controla o norte mas navega ao sabor do vento. Que tal reagirmos, por exemplo, devolvendo à Bolívia os cerca de cem mil bolivianos que vivem no país ilegalmente?

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Vento Sul

Eis que surge o vento sul. Ataca por todos os lados, é frio, é grudento, é a prova de casaco, de lareira e de conhaque.

Eternamente Drumond

Alguns versos aqui publicados semana passada foram suficientes para que leitores atentos lembrasse que, vivo, Carlos Drumond de Andrade...

Muito além do rio

Aquelas arcadas eram suntuosas, mas nos pareciam assustadoras no primeiro dia da matrícula;